O Xadrez e a Música

sexta-feira, setembro 15, 2006

Soneto dedicado a Bocage que hoje faz 241 Anos

… du BOCAGE

Provaste que ninguém ultrapassou
O Everest da tua Poesia.
E ninguém o tentou, quem tal faria ?
Só em ti toda a Arte rebrilhou!

Iniciaste o tempo em que soou
A lyra virtual que com mestria
Dedilhaste em concerto ?, sinfonia ?
E o teu coração mais palpitou!

Digo, torno a dizer, ouçam-me agora;
Inquebrantável grito se escutou,
Côro da vil, agónica, infeliz hora:

É o fim: "já Bocage não sou"…
Depois, Polymnia, luto, ou só, talvez…
Adeus ao Rei do "Sonetismo" Português.

* * *

Nota: POLYMNIA - musa da Poesia.

R.C.Nascimento

7 comentários:

Pamina disse...

Aspasia,
Que bonita ideia!:) E muito a propósito, pois já percebi que o teu pai tem muito para contar.
Beijinhos para os dois e as tuas melhoras.

andorinha disse...

Olá!
Belíssima ideia, como já disse a Pamina.
Serei visitante assídua:)
Beijinhos e espero sinceramente que estejas melhor.

Mariazinha disse...

Que lindo 92 anos!
Faz-nos corar quando nos nossos 40
dizemos que estamos a ficar velhos!
Parabens Sr.Nascimento pelo seu belissimo poema.

Luísa Monteiro disse...

Poeta, a sua juventude fazia aqui muita falta.
E o seu poema, tão lindo, é a prova que ainda se fazem belos sonetos!
Continue a deliciar-nos com a sua ARTE, neste país tão medíocre em que a cultura é uma enorme tragédia. Bocage satírico é uma pérola para o estado da cultura em Portugal. Mas o Senhor, poeta, homenageou o Poeta evocando a sua lírica da melhor forma: escrevendo também um soneto magnífico. Obrigada.

R.N. disse...

Caros bloguistas

É com satisfação que leio os vossos comentários, que agradeço.
Cá estarei enquanto puder...

LUÍSA monteiro disse...

VAI PODER DURANTE MUITOS ANOS! ESTAMOS À ESPERA DE MAIS POEMAS!

candida disse...

dedilhar, palpitar... hummm isto tá bonito, tá.